Cómo citar
Pavão Corrêa , F., & Aparecida Serralha , C. (2015). La depresión posparto y la figura materna : un análisis retrospectivo y contextual. Acta Colombiana de Psicología, 18(1), 113-123. https://doi.org/10.14718/ACP.2015.18.1.11

Resumen

Este estudio, de carácter exploratorio descriptivo y cualitativo, tuvo como objetivo examinar en el discurso de las mujeres que fueron afectadas por la depresión posparto, las experiencias sobre la maternidad que tuvieron con sus propias madres, y verificar si estas experiencias influyeron en el desencadenamiento de la depresión. Los datos fueron recolectados a través de entrevistas con cinco madres, y posteriormente analizados por la técnica de análisis de contenido. Los resultados indicaron que la mayoría de las participantes mostró una relación conflictiva con sus madres. Se obtuvieron fuertes evidencias de que los modelos de mujer (lugar y función social) y la maternidad experimentada e interiorizada por las participantes en el estudio fueron influyentes en el desencadenamiento y empeoramiento de la depresión después del parto. El estudio avanzó en esta dirección, ya que tales modelos maternos siempre han estado relacionados con el desempeño de la joven madre, pero no con la aparición y desarrollo de la depresión. Tales evidencias pueden, animar a la ampliación y confirmación de los resultados en futuros estudios.

Licencia

Derechos de autor 2015 Fernanda Pavão Corrêa

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0.

Citas

Alves, Z. M. M. B. & Silva, M. H. G. F. D da. (1992). Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paidéia FFCLRP- USP, (2), 61-69.

Araújo, C. A. S. (2011). O ambiente winnicottiano. In E. Dias & Z. Loparic (Orgs.), Winnicott na Escola de São Paulo (pp. 211-229). São Paulo: DWW Editorial.

Azevedo, K. R., & Arrais, K. R. (2006). Mito da Mãe Exclusiva e seu Impacto na Depressão Pós-Parto. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19( 2), 269-276.

Baptista, A. S. D., & Baptista, M. N. (2005). Avaliação de depressão em gestantes de alto-risco em um grupo de acompanhamento. Interação em Psicologia, 9(1), 155-163.

Correa, O. B. R. (2003). Transmissão psíquica entre as gerações. Psicologia USP, 14(3), 35-45.

Felice, E. M. (2006). Trajetórias da maternidade e seus efeitos sobre o desenvolvimento infantil. Mudanças- Psicologia da Saúde, 14(1), 7-17.

Felice, E. M. (2007). Transformação e “cura” através da experiência de ser mãe. Psychê, 11(21), 145-159.

Felix, G. M. A., Gomes, A. P. R., & França, P. S. (2008). Depressão no ciclo gravídico-puerperal. Comunicação em Ciências da Saúde, 19(1), 51-60.

Fonseca, V. R. J. R. M., Silva, G. A., & Otta, E. (2010). Relação entre depressão pós-parto e disponibilidade emocional materna. Cadernos de Saúde Pública, 26(4), 738-746.

Frizzo, G. B., Kahl, M. L. F. & Oliveira, E. A. F. de (2005). Aspectos psicológicos da gravidez na adolescência. Psico, 36(1), 13-20.

Klein, M. (1981). Os efeitos das primeiras situações de angústia sobre o desenvolvimento sexual da menina. In: Klein, M. Psicanálise da criança (3ª ed.) (pp. 259-311). São Paulo: Mestre Jou. (Original publicado em 1932).

Lucena, J. R. L. (2012). “Não se nasce mulher, torna-se mulher”: a (re)construção do conceito de gênero e a superação de imitações teóricas. Trabalho apresentado no XIII Encontro estadual de história: História e historiografia: entre o nacional e o regional. Guarabira, PB.

Maldonado, M.T. (1989). Maternidade e paternidade: situações especiais e de crise na família. Petrópolis, RJ: Vozes.

Mattar, R., Silva, E. Y. K., Camano, L., Abrahão, A. R., Colás, O. R., Neto, J. A. et al. (2007). A violência doméstica como indicador de risco no rastreamento da depressão pós-parto. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 29(9), 470- 477.

Moraes, V. L. C., & Rubio, J. A. S. (2012). Cognição e afeto se entrelaçam no processo de ensino e aprendizagem. Revista eletrônica Saberes da Educação, 3(1), 1-12.

Motta, M. G., Lucion, A. B., & Manfro, G. G. (2005). Efeitos da depressão materna no desenvolvimento neurobiológico e psicológico da criança. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 27(2), 165-176.

Nascimento, S. R. C., Amorim, M. H. C., Primo, C. C., & Castro, D. S. (2009). Fatores de risco para o desenvolvimento de depressão na gestação. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, 11(2) 18-23.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Salud del adolescente. Disponível em:
http://www.who.int/maternal_child_adolescent/topics/adolescence/es/. Acesso em: jan 2013.

Piccinini, C. A., Gomes, A. G., Nardi, T., & Lopes, R. S. (2008). Gestação e a constituição da maternidade. Psicologia em Estudo, 13(1), 63-72.

Rocha-Coutinho, M.L. (2003). Quando o executivo é uma ‘dama’: a mulher, a carreira e as relações familiares. InT. Feres-Carneiro (Org.) Família e Casal: Arranjos e Demandas Contemporâneas. Ed. PUC-Rio, Rio de Janeiro, São Paulo, Loyola.

Ruschi, G. E. C., Sun, S. Y., Mattar, R., Filho, A. C., Zandonade, E., & Lima, V. J. (2007). Aspectos epidemiológicos da depressão pós-parto em amostra brasileira. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 29(3), 274-280.

Santos, V. O., Ghazzi, M. S. A. (2012). A transmissão psíquica geracional. Psicologia Ciência e Profissão, 32(3), 632-647.

Santos Junior, H. P. O., Silveira, M. F. A., & Gualda, D. M. R. (2009). Depressão pós-parto: um problema latente. Revista Gaúcha de Enfermagem, 30(3), 516-524.

Saraiva, E. R. A., & Coutinho, M. P. L. (2008). O sofrimento psíquico no puerpério: um estudo psicossociológico. Revista Mal-estar e Subjetividade, 8(2), 505-527.

Schwengber, D. D. S., & Piccinini, C. A. (2005). A experiência da maternidade no contexto da depressão materna no final do primeiro ano de vida do bebê. Estudos de Psicologia, 22(2), 143-156.

Schwengber, D. D. S., Prado, L. C., & Piccinini, C. A. (2009). O impacto de uma psicoterapia breve pais-bebê para as representações acerca da maternidade no contexto da depressão. PSICO, 40(3), 382-391.

Stern, D. (1997). A constelação da maternidade: o panorama da psicoterapia pais/bebê. (M. A. V. Veronese, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Turato, E. R. (2003). Tratado de metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Winnicott, D. (1993). Preocupação materna primária. In Textos selecionados: da pediatria à psicanálise (4ª ed.) (pp. 491- 498). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Original publicado em 1958).

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Sistema OJS 3 - Metabiblioteca |