Cómo citar
Lüdke Nardi , F., & Dalbosco Dell’aglio , D. (2010). Delincuencia juvenil : una revisión teórica. Acta Colombiana de Psicología, 13(2), 69-77. Recuperado a partir de https://actacolombianapsicologia.ucatolica.edu.co/article/view/371

Resumen

Este artículo presenta una revisión de literatura sobre la delincuencia juvenil con el objetivo de discutir sus conceptos y su etiología. Aborda los factores de riesgo y los factores de protección a los que se exponen los adolescentes autores del acto infraccional. Se presentan dos modelos teóricos acerca del origen y el desarrollo de la delincuencia juvenil.. De igual forma, se lleva a cabo una discusión sobre medidas socioeducativas y proyectos de vida como factores de protección que pueden promover una mayor integración social. Fue posible constatar, entre otros aspectos, la necesidad y la importancia de acciones y programas dirigidos a la prevención y al tratamiento de estos adolescentes.

Licencia

Derechos de autor 2010 Fernanda Lüdke Nardi, Débora Dalbosco Dell’aglio

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0.

Citas

Anderson, N. L. R. (1999). Perceptions about substance use among male adolescents in juvenile detention. Western Journal of Nursing Research, 21(5), 652-672.

Arpini, D. M. (2003). Violência e exclusão: Adolescência em grupos populares. São Paulo: EDUSC.

Assis, S. G. & Avanci, J. Q. (2004). Abuso psicológico e desenvolvimento infantil. In Brasil (Ed.), Violência faz mal à saúde de crianças e adolescentes (pp. 59-67). Brasília: Ministério da Saúde. Retrieved in May 14, 2008, from http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/violencia_saude.pdf

Assis, S. G. & Constantino, P. (2005). Perspectivas de prevenção da infração juvenil masculina. Ciência e Saúde Coletiva, 10(1), 81-90.

Assis, S. G., Pesce, R. P. & Avanci, J. Q. (2006). Resiliência: Enfatizando a proteção dos adolescentes. Porto Alegre: Artmed.

Assis, S. G. & Souza, E. R. (1999). Criando Caim e Abel – Pensando a prevenção da infração juvenil. Ciência e Saúde Coletiva, (4)1, 131-144.

Bardagi, M. P., Arteche, A. & Neiva-Silva, L. (2005). Projetos sociais com adolescentes em situação de risco: Discutindo o trabalho e a orientação profi ssional como estratégias de intervenção. In C. S. Hutz (Ed.), Violência e Risco na Infância e na Adolescência: Pesquisa e Intervenção (pp.101-146). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Branco, B. M. & Wagner, A. (2009). Os adolescentes infratores e o empobrecimento da rede social quando do retorno à comunidade. Ciência e Saúde Coletiva, 14(2), 557-566.

Branco, B. M., Wagner, A. & Demarchi, K. A. (2008). Adolescentes infratores: Rede social e funcionamento familiar. Psicologia: Refl exão e Crítica, 21(1), 125-132.

Carvalho, M. C. N. & Gomide, P. I. C. (2005). Práticas educativas parentais em famílias de adolescentes em confl ito com a lei. Estudos de Psicologia, 22(3), 263-275.

Castro, A. L. S. (2006). Ato infracional, exclusão e adolescência: Construções sociais. Unpublished masther’s thesis, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Ceolin, L. (2003). A construção dos vínculos afetivos e sociais do adolescente em confl ito com a lei. Unpublished masther’s thesis, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA). (2006). Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE. Brasília: CONANDA. Retrieved in Jul 30, 2009, from http://www.rebidia.org.br/noticias/direito/sinase_integra1.pdf

Costa, C. R. B. S. F. & Assis, S. G. (2006). Fatores protetivos a adolescentes em confl ito com a lei no contexto socioeducativo. Psicologia e Sociedade, 18(3), 74-81.

De Antoni, C., Hoppe, M. W., Medeiros, F. & Koller, S. H. (1999). Uma família em situação de risco: Resiliência e vulnerabilidade. Interfaces: Revista de Psicologia, 2(1), 81-85.

De Antoni, C. & Koller, S. H. (2000). Vulnerabilidade e resiliência familiar: Um estudo com adolescentes que sofreram maus-tratos intrafamiliares. Psico, 31, 39-66.

De Antoni, C. & Koller, S. H. (2002). Violência doméstica e comunitária. In M. L. J. Contini, S. H. Koller & M. N. S. Barros (Eds.), Adolescência e Psicologia: Concepções, práticas e refl exões críticas (pp. 85-91). Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Dell’Aglio, D. D., Santos, S. S. & Borges, J. L. (2004). Infração juvenil feminina: uma trajetória de abandonos. Interação em Psicologia, 8(2), 191-198.

Feijó, M. C. & Assis, S. G. de. (2004). O contexto de exclusão social e de vulnerabilidade de jovens infratores e de suas famílias. Estudos de Psicologia, 9(1), 157-166.

Ferreira, E. D. S. (2008). O direito enquanto instrumento de garantia dos direitos fundamentais do adolescente em confl ito com a lei. In Secretaria Especial dos Direitos Humanos (Ed.), Justiça juvenil sob o marco da proteção integral [Apostila do Seminário de Justiça Juvenil] (pp.52-75). São Paulo: ABMP.

Ferrigolo, M., Barbosa, F. S., Arbo, E., Malysz, A. S., Stein, A. T. & Barros, H. M. T. (2004). Prevalência do consumo de drogas na FEBEM, Porto Alegre. Revista Brasileira de Psiquiatria, 26(1), 10-16.

Gallo, A. E. (2008). Atuação do psicólogo com adolescentes em confl ito com a lei: A experiência do Canadá. Psicologia em Estudo, 13(2), 327-334.

Gallo, A. E. & Williams, L. C. A. (2005). Adolescentes em confl ito com a lei: Uma revisão dos fatores de risco para a conduta infracional. Psicologia: Teoria e Prática, 7(1), 81-95.

Gallo, A. E. & Williams, L. C. A. (2008). A escola como fator de proteção à conduta infracional de adolescentes. Cadernos de Pesquisa, 38 (133), 41-59.

Garbarino, J. (2009). Why are adolescents violent? Ciência e Saúde Coletiva, 14(2), 533-538.

Gehring, T. M. (1993). Family System Test (FAST). Seattle Toronto Bern Göttingen: Hogrefe & Huber Publishers.

Hein, A. (2004). Factores de riesgo y delincuencia juvenil: Revisión de la literatura nacional e internacional. Fundación Paz Ciudadana. Retrieved in Aug 28, 2010, from http://www.pazciudadana.cl/docs/pub_20090623190509.pdf

Jacobina, O. M. P. & Costa, L. F. (2007). “Para não ser bandido”: Trabalho e adolescentes em confl ito com a lei. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 10(2), 95-110.

Junqueira, M. F. P. S. & Deslandes, S. F. (2003). Resiliência e maus tratos à criança. Cadernos de Saúde Pública, 19(1), 227-235.

Loeber, R. & Dishion, T. (1983). Early predictors of male delinquency: A review. Psychological Bulletin, 94, 68-99.

Loeber, R. & Stouthamer-Loeber, M. (1998). Development of juvenile agression and violence. American Psychologist, 53(2), 242-259.

Luthar, S. S., Cicchetti, D. & Becker, B. (2000). The construct of resilience: a critical evaluation and guidelines for future work. Child Development, 71(3), 543-562.

Macgarvey, E. L., Canterbury, R. J. & Waite, D. (1996). Delinquency and family problems in incarcerated adolescents with and without a history of inhalant use. Addictive Behaviors, 21(4), 537-542.

Mason, W. A. & Windle, M. (2002). Reciprocal relations between adolescent substance use and delinquency: a longitudinal latent variable analysis. Journal of Abnormal Psychology, 111(1), 63-76.

Masten, A. S. & Garmezy, N. (1985). Risk, vulnerability, and protective factors in developmental psychopathology. In B. B. Lahey & A. E. Kazdin (Eds.), Advances in Clinical Child Psychology (pp.1-52). New York: Plenum Press.

Minayo, M. C. S. & Deslandes, S. F. (1998). A complexidade das relações entre drogas, álcool e violência. Cadernos de Saúde Pública, 14(1), 35-42.

Neiva-Silva, L. (2003). Expectativas futuras de adolescentes em situação de rua: Um estudo autofotográfi co. Unpublished masther’s thesis. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Osofsky, J. D. (1995). The effects of exposure to violence on young children. American Psychologist, 50(9), 782–788.

Pacheco, J., Alvarenga, P., Reppold, C., Piccinini, C. A. & Hutz, C. S. (2005). Estabilidade do comportamento antisocial na transição da infância para a adolescência: Uma perspectiva desenvolvimentista. Psicologia: Refl exão e Crítica, 18(1), 55-61.

Paludo, S. S. & Koller, S. H. (2005). Resiliência na rua: Um estudo de caso. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(2), 187-195.

Patterson, G. R., DeBaryshe B. D. & Ramsey, E. (1989). A developmental perspective on antisocial behavior. American Psychologist, 44(2), 329-335.

Patterson, G., Reid, J. & Dishion, T. (1992). Antisocial boys. Eugene: Castalia.

Pedersen, W. (1994). Parental relations, mental health and delinquency in adolescents. Adolescence, 29(116), 975-990.

Pelcovitz, D., Kaplan, S., Ellenberg, A., Labruna, V., Salzinger, S., Mandel, F. & Weiner, M. (2000). Adolescent physical abuse: Age at time of abuse and adolescent perception of family functioning. Journal of Family Violence, 15(4), 375-389.

Pesce, R. (2009). Violência familiar e comportamento agressivo e transgressor na infância: Uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 14(2), 507-518.

Pesce, R. P., Assis, S. G., Santos, N. & Oliveira, R. V. C. de. (2004). Risco e proteção: Em busca de um equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(2), 135-143.

Pinho, S. R., Dunningham, W., Aguiar, W. M., Filho, A. S. A., Guimarães, K., Guimarães, K., Almeida, T. R. P. & Dunningham, V. A. (2006). Morbidade psiquiátrica entre adolescentes em confl ito com a lei. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 55(2), 126-130.

Rizzini, I., Zamora, M. H. & Klein, A. (2008). O adolescente em contexto. In Secretaria Especial dos Direitos Humanos (Ed.), Justiça juvenil sob o marco da proteção integral [Apostila do Seminário de Justiça Juvenil] (pp.36-51). São Paulo: ABMP.

Rutter, M. (1999). Resilience concepts and fi ndings: Implications for family therapy. Journal of Family Therapy, 21(2), 119-144.

Shoemaker, D. J. (2000). Theories of delinquency: An examination of explanations of delinquent behavior (4a ed.). Nova York: Oxford University Press.

Silva, D. F. M. (2002). O desenvolvimento das trajetórias do comportamento delinqüente em adolescentes infratores. Unpublished doctoral dissertation. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Silva, D. F. M. & Hutz, C. S. (2002). Abuso infantil e comportamento delinqüente na adolescência: Prevenção e intervenção. In C. S. Hutz (Ed.), Situações de risco e vulnerabilidade na infância e na adolescência: Aspectos teóricos e estratégias de intervenção (pp.151-185). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Souza, E. R. & Jorge, M. de M. (2004). Impacto da violência na infância e adolescência brasileiras: Magnitude da morbimortalidade. In Brasil (Ed.), Violência faz mal à saúde de crianças e adolescentes (pp. 59-67). Brasília: Ministério da Saúde.

Steinberg, L. (2000). The family at adolescence: Transition and transformation. Journal of Adolescent Health, 27, 170-178.

Watts, W. D. & Wright, L. S. (1990). The relationship of alcohol, tobacco, marijuana, and other illegal drug use to delinquency among mexican-american, black, and white adolescent males. Adolescence, 25(97), 171–181.

Wainer, F. W. (2006). Prevención social del delito: Pautas para una intervención temprana en niños y jóvenes. Fundación Hanns Seidel Stiftung & Fundación Paz e Ciudadana. Retrieved in Aug 28, 2010, from http://www.pazciudadana.cl/docs/pub_20090618132605.pdf

Wainer, F. W. (2008). Infractores de ley, consumo problemático de drogas y posibilidades de intervención. Revista El Observador, 2, 9-26.

Wood, B. (1985). Proximity and hierarchy: Orthogonal dimensions of family interconnectedness. Family Process, 24, 497-507.

Zamora, M. H. (2008). Adolescentes em confl ito com a lei: Um breve exame da produção recente em psicologia. Revista Eletrônica Polêmica, 7(2), 7-20. Retrieved in Jul 28, 2008, from http://www.polemica.uerj.br/pol24/artigos/lipis_1.pdf

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Sistema OJS 3 - Metabiblioteca |