How to Cite
Alves de Souza, L., & Fortunato Costa, L. (2012). The meaning of socio-educational measures for young offenders deprived of their freedom. Acta Colombiana De Psicología, 15(2), 87–97. Retrieved from https://actacolombianapsicologia.ucatolica.edu.co/article/view/269
License

 Authors who publish in this journal agree to the following terms:

 Acta Colombiana de Psicología complies with international intellectual property and copyright laws, and particularly with Article No. 58 of the Political Constitution of Colombia, Law No. 23 of 1982, and the Agreement No. 172 of September 30, 2010 (Universidad Católica de Colombia Intellectual Property Regulation).

 Authors retain their copyright and grant to the Acta Colombiana de Psicología the right of first publication, with the work registered under Creative Commons attribution license, which allows third parties to use the published material, provided they credit the authorship of the work and the first publication in this Journal.

Abstract

This study aims to present the meaning that adolescents give to the socio-educational measure of being sent to a juvenile correctional and to the measures taken before such placement. The qualitative research was carried out with three adolescents aged between 17 and 19, who serve the measure of placement in a youth correctional at the Centro de Integração de Adolescentes de Planaltina[CIAP, for its Portuguese acronym], DF, Brazil. The instruments used were: participant observation; field notes and semi structured interviews. Data were processed using content analysis for the construction of meaning nuclei. The socioeducational measures are perceived by the adolescents as unimportant to their lives, except the correctional service, which is regarded as the only one that can provoke “something” to them such as anger, annoyance or sense of injustice. In general, the correctional placement has been conceibed in a paradoxical manner since in addition to restricting freedom -a fundamental right- it guarantees a minimal protection to the adolescents, which other measures cannot achieve.

Keywords:

References

Brasil (2004). Sistema Socioeducativo segundo a modalidade de atendimento no sistema. Recuperado de ftp://balcao.saude.ms.gov.br/horde/sisppi/unei/Legislacao/Sinase.pdf Acesso em 20 novembro 2012.

Brasil (2006). Conselho Nacional do Direito da Criança e do Adolescente. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE). Brasília: CONANDA.

Calhoun, G. B., Glaser, B. A. & Bartolomucci, C. L. (2001). The juvenile Counselingand Assessment Modeland Program: a Conceptualization and Intervention for Juvenile Delinquency. Journal of Counseling & Development, 79, 131-141.

Carreteiro, T. C. (2010). Adolescências e experimentações possíveis. Em L. F. Costa & M. M. Marra (Orgs.), Temas da clínica do adolescente e da família (pp. 15-23). Brasília: Editora Ágora.

Carreteiro, T. C., Pinto, B. O. S., Carvalho, C. G., Rodriguez, L. S., Alves. W. B. & Estevinho, W. L. (2011). Juventudes e trabalho: aproximações e diferenças da concepção de trabalho nos diferentes contextos juvenis. Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 1 (1), 41-54.

Castro, A. L. S. & Guareschi, P. A. (2007). Adolescentes autores de atos infracionais: processos de exclusão e formas de subjetivação. Psicologia Política, 7(13), 43-60.

Cavalcanti, P. B., Dantas, A. C. S. & Carvalho, R. N. (2011). Contornos e sinergias entre a política de saúde e o adolescente privado de liberdade: intersetorialidade como desafio. Textos & Contextos, 10 (2), 399-410.

Conceição, M. I. G., Tomasello, F. & Pereira, S. E. F. N. (2004). Oficinas temáticas para adolescentes em medida socioeducativa: construindo um projeto de vida. Em M. F. O. Sudbrack, M. I. G. Conceição, E. M. F. Seidl& M. T. da Silva (Orgs.), Adolescente e drogas no contexto da justiça (pp. 203-214). Brasília: Plano.

Conceição, M. I. G. (2010). A clínica do adolescente em meio fechado: olhares sobre o contexto. Em M. M. Marra & L. F. Costa (Orgs.), Temas da clínica do adolescente e da família (pp. 87-103). São Paulo: Ágora.

Costa, C. R. B. S. F. & Assis, S. G. (2006). Fatores protetivos a adolescentes em conflito com a lei no contexto socioeducativo. Psicologia & Sociedade, 18 (3), 74-81.

Demo, P. (1995). Cidadania tutelada e cidadania assistida. Campinas. Editores Associados.

Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) (1990). Lei nº 8.069.

Espíndula, D. H. P. & Santos, M. F. S. (2004). Representações sobre a adolescência a partir da ótica dos educadores sociais de adolescentes em conflito com a lei. Psicologia em Estudo, 9 (3), 357-367. Recuperado do site http://www.scielo.br/pdf/pe/v9n3/v9n3a03.pdf. Acesso em 30 maio 2011.

Esteves de Vasconcellos, M. J. (2002). Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus.

Fishman, H. C. (1989). Tratamiento de adolescentes con problemas. Un enfoque de terapia familiar. Buenos Aires: Paidós.

Francischini, R. & Campos, H. R. (2005). Adolescente em conflito com a lei e medidas socioeducativas: Limites e (im) possibilidades. Psico, 36 (3), 267-273.

Goffman, E. (1996). Manicômios, prisões e conventos (D. M. Leite, Trad.) (5ª. ed.). São Paulo: Editora Perspectiva (Original publicado em 1963).

Jacobina, O. M. O & Costa, L. F. (2007). Para não ser bandido: trabalho e adolescentes em conflito com a lei. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 10( 2), 95-110.

Jacobina, O. M. O & Costa, L. F. (2011). Da Medida Protetiva à Socioeducativa: o registro da (des)proteção. Psicologia Política, 11 (21), 123-139.

Machado, M. T. (2003). A proteção constitucional de crianças e adolescentes e os direitos humanos. São Paulo: Manole.

Marcelli, D. & Braconnier, A. (1989). Manual de psicopatologia do adolescente (A. E. Filman, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas (Original publicado em 1984).

Minayo, M. C. S. (1996). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (4ª. ed.). São Paulo: Hucitec.

Muller, F., Barboza, P. S., Oliveira, C. C., Santos, R. R. G. & Paludo, S. S. (2009). Perspectivas de adolescentes em conflito com a lei sobre o delito, a medida de internação e as expectativas futuras. Revista Brasileira de Adolescência e Conflitualidade, 1 (1), 70-87.

Paiva, V. (2007). Contradições da reeducação de jovens que cometeram atos infracionais. Em V. Paiva & J. T. Sento-Sé (Orgs.), Juventude em Conflito com a lei (pp. 17-34). Rio de Janeiro: Garamond.

Penso, M. A., Gusmão, M. M. & Ramos, M. E. C. (2004). Oficinas de ideias: uma experiência precursora com adolescentes em conflito com alei pelo envolvimento com drogas Em M. F. O. Sudbrack, M. I. G.

Conceição, E. M. F. Seidl& M. T. da Silva (Orgs.), Adolescente e drogas no contexto da justiça (pp. 191-202). Brasília: Plano.

Penso, M. A., Conceição, M. I. G., Costa, L. F. & Carreteiro, T. C. O. (2012). Jovens pedem socorro. O adolescente que praticou ato infracional e o adolescente que cometeu ofensa sexual. Brasília: Liber.

Perfeito, D. M. (2005). Adolescentes infratores: Uma aprendizagem e uma Luz na Psicoterapia? Relato de prática profissional. Revista Electronica Internacional de la Unión Latinoamericana de las Entidades de Psicología, 4. Recuperado do site http://www.psicolatina.org/Cuatro/adolescentes.html. Acesso em 6 novembro 2012.

Relatório de Pesquisa (2011). Perfil do Adolescente Infrator. Brasília: MPDFT. Recuperado do site http://www.mpdft.gov.br/comunicacao/site/arquivos/relatorio_infanciaII.pdf Acesso em 5 dezembro 2011.

Segond, P. (1992). Família e transgressão. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 8(suplemento), 433-445.

Souza, M. T. S. de & Oliveira, A. L. de (2011). Fatores de proteção familiares, situações risco, comportamentos e expectativas de jovens de baixa renda. Em D. D. Dell?Aglio& S. H. Koller (Orgs.), Adolescência e Juventude. Vulnerabilidade e contexto de proteção (pp. 47-76). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sousa, L. A. & Costa, L. F. (2011). Liberdade Assistida no Distrito Federal: impasses políticos na implementação das normas do SINASE e do SUAS. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, 4, 117-134.

Takeuti, N. M. (2002). No outro lado do espelho: a fratura social e as pulsões juvenis. Rio de Janeiro: RelumeDumará.

Veronese, J.S. & Lima, F.S. (2009). O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE); breves considerações. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, 1, 29-46.

Volpi, M. (2001). Sem liberdade, sem direitos. São Paulo: Cortez.

Walsh, F. (2005). Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Roca.

Ward, T, Gannon, T. A. & Birgden, A. (2007). Human Rights and Treatment of Sex Offenders.Sex Abuse, 19, 195-216.

Woolfenden, S., Williams, K. J. & Peat, J. (2009). Family and parenting interventions in children and adolescents with conduct disorder and delinquency aged 10-17. Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 4, 1-11.

Downloads

Download data is not yet available.

Reference by

Sistema OJS 3 - Metabiblioteca |