Cómo citar
Alves de Souza , L., & Fortunato Costa , L. (2012). El significado de las medidas educativas para los adolescentes privados de libertad. Acta Colombiana de Psicología, 15(2), 87-97. Recuperado a partir de https://actacolombianapsicologia.ucatolica.edu.co/article/view/269

Resumen

El presente estudio tiene como objetivo presentar el significado que los adolescentes confieren a la medida socioeducativa de internación en una correccional de menores y a las medidas socioeducativas cumplidas anteriormente a dicha internación. La investigación cualitativa estuvo dirigida a tres adolescentes, de edades entre 17 y 19 años, que cumplen la medida de internación en el Centro de Integración de Adolescentes de Planaltina (CIAP), Distrito Federal, Brasil. Los instrumentos utilizados fueron: observación participante, diario de campo y entrevistas semi-estructuradas. En la interpretación de los datos, se utilizó el análisis de contenido para la construcción de núcleos de sentido. Los adolescentes perciben las medidas socioeducativas como poco importantes para sus vidas, a excepción de la medida de internación, por ser la única que puede causar “algo” en ellos, ya sea rabia, ira o sensación de injusticia. En general, la internación ha sido concebida de manera paradójica, pues además de restringir la libertad, un derecho fundamental, garantiza una protección mínima a los adolescentes, algo que las otras medidas no logran.

Licencia

Derechos de autor 2012 Luana Alves de Souza, Liana Fortunato Costa

Creative Commons License
Esta obra está bajo licencia internacional Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0.

Citas

Brasil (2004). Sistema Socioeducativo segundo a modalidade de atendimento no sistema. Recuperado de ftp://balcao.saude.ms.gov.br/horde/sisppi/unei/Legislacao/Sinase.pdf Acesso em 20 novembro 2012.

Brasil (2006). Conselho Nacional do Direito da Criança e do Adolescente. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE). Brasília: CONANDA.

Calhoun, G. B., Glaser, B. A. & Bartolomucci, C. L. (2001). The juvenile Counselingand Assessment Modeland Program: a Conceptualization and Intervention for Juvenile Delinquency. Journal of Counseling & Development, 79, 131-141.

Carreteiro, T. C. (2010). Adolescências e experimentações possíveis. Em L. F. Costa & M. M. Marra (Orgs.), Temas da clínica do adolescente e da família (pp. 15-23). Brasília: Editora Ágora.

Carreteiro, T. C., Pinto, B. O. S., Carvalho, C. G., Rodriguez, L. S., Alves. W. B. & Estevinho, W. L. (2011). Juventudes e trabalho: aproximações e diferenças da concepção de trabalho nos diferentes contextos juvenis. Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 1 (1), 41-54.

Castro, A. L. S. & Guareschi, P. A. (2007). Adolescentes autores de atos infracionais: processos de exclusão e formas de subjetivação. Psicologia Política, 7(13), 43-60.

Cavalcanti, P. B., Dantas, A. C. S. & Carvalho, R. N. (2011). Contornos e sinergias entre a política de saúde e o adolescente privado de liberdade: intersetorialidade como desafio. Textos & Contextos, 10 (2), 399-410.

Conceição, M. I. G., Tomasello, F. & Pereira, S. E. F. N. (2004). Oficinas temáticas para adolescentes em medida socioeducativa: construindo um projeto de vida. Em M. F. O. Sudbrack, M. I. G. Conceição, E. M. F. Seidl& M. T. da Silva (Orgs.), Adolescente e drogas no contexto da justiça (pp. 203-214). Brasília: Plano.

Conceição, M. I. G. (2010). A clínica do adolescente em meio fechado: olhares sobre o contexto. Em M. M. Marra & L. F. Costa (Orgs.), Temas da clínica do adolescente e da família (pp. 87-103). São Paulo: Ágora.

Costa, C. R. B. S. F. & Assis, S. G. (2006). Fatores protetivos a adolescentes em conflito com a lei no contexto socioeducativo. Psicologia & Sociedade, 18 (3), 74-81.

Demo, P. (1995). Cidadania tutelada e cidadania assistida. Campinas. Editores Associados.

Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) (1990). Lei nº 8.069.

Espíndula, D. H. P. & Santos, M. F. S. (2004). Representações sobre a adolescência a partir da ótica dos educadores sociais de adolescentes em conflito com a lei. Psicologia em Estudo, 9 (3), 357-367. Recuperado do site http://www.scielo.br/pdf/pe/v9n3/v9n3a03.pdf. Acesso em 30 maio 2011.

Esteves de Vasconcellos, M. J. (2002). Pensamento Sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus.

Fishman, H. C. (1989). Tratamiento de adolescentes con problemas. Un enfoque de terapia familiar. Buenos Aires: Paidós.

Francischini, R. & Campos, H. R. (2005). Adolescente em conflito com a lei e medidas socioeducativas: Limites e (im) possibilidades. Psico, 36 (3), 267-273.

Goffman, E. (1996). Manicômios, prisões e conventos (D. M. Leite, Trad.) (5ª. ed.). São Paulo: Editora Perspectiva (Original publicado em 1963).

Jacobina, O. M. O & Costa, L. F. (2007). Para não ser bandido: trabalho e adolescentes em conflito com a lei. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 10( 2), 95-110.

Jacobina, O. M. O & Costa, L. F. (2011). Da Medida Protetiva à Socioeducativa: o registro da (des)proteção. Psicologia Política, 11 (21), 123-139.

Machado, M. T. (2003). A proteção constitucional de crianças e adolescentes e os direitos humanos. São Paulo: Manole.

Marcelli, D. & Braconnier, A. (1989). Manual de psicopatologia do adolescente (A. E. Filman, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas (Original publicado em 1984).

Minayo, M. C. S. (1996). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (4ª. ed.). São Paulo: Hucitec.

Muller, F., Barboza, P. S., Oliveira, C. C., Santos, R. R. G. & Paludo, S. S. (2009). Perspectivas de adolescentes em conflito com a lei sobre o delito, a medida de internação e as expectativas futuras. Revista Brasileira de Adolescência e Conflitualidade, 1 (1), 70-87.

Paiva, V. (2007). Contradições da reeducação de jovens que cometeram atos infracionais. Em V. Paiva & J. T. Sento-Sé (Orgs.), Juventude em Conflito com a lei (pp. 17-34). Rio de Janeiro: Garamond.

Penso, M. A., Gusmão, M. M. & Ramos, M. E. C. (2004). Oficinas de ideias: uma experiência precursora com adolescentes em conflito com alei pelo envolvimento com drogas Em M. F. O. Sudbrack, M. I. G.

Conceição, E. M. F. Seidl& M. T. da Silva (Orgs.), Adolescente e drogas no contexto da justiça (pp. 191-202). Brasília: Plano.

Penso, M. A., Conceição, M. I. G., Costa, L. F. & Carreteiro, T. C. O. (2012). Jovens pedem socorro. O adolescente que praticou ato infracional e o adolescente que cometeu ofensa sexual. Brasília: Liber.

Perfeito, D. M. (2005). Adolescentes infratores: Uma aprendizagem e uma Luz na Psicoterapia? Relato de prática profissional. Revista Electronica Internacional de la Unión Latinoamericana de las Entidades de Psicología, 4. Recuperado do site http://www.psicolatina.org/Cuatro/adolescentes.html. Acesso em 6 novembro 2012.

Relatório de Pesquisa (2011). Perfil do Adolescente Infrator. Brasília: MPDFT. Recuperado do site http://www.mpdft.gov.br/comunicacao/site/arquivos/relatorio_infanciaII.pdf Acesso em 5 dezembro 2011.

Segond, P. (1992). Família e transgressão. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 8(suplemento), 433-445.

Souza, M. T. S. de & Oliveira, A. L. de (2011). Fatores de proteção familiares, situações risco, comportamentos e expectativas de jovens de baixa renda. Em D. D. Dell?Aglio& S. H. Koller (Orgs.), Adolescência e Juventude. Vulnerabilidade e contexto de proteção (pp. 47-76). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Sousa, L. A. & Costa, L. F. (2011). Liberdade Assistida no Distrito Federal: impasses políticos na implementação das normas do SINASE e do SUAS. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, 4, 117-134.

Takeuti, N. M. (2002). No outro lado do espelho: a fratura social e as pulsões juvenis. Rio de Janeiro: RelumeDumará.

Veronese, J.S. & Lima, F.S. (2009). O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE); breves considerações. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, 1, 29-46.

Volpi, M. (2001). Sem liberdade, sem direitos. São Paulo: Cortez.

Walsh, F. (2005). Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Roca.

Ward, T, Gannon, T. A. & Birgden, A. (2007). Human Rights and Treatment of Sex Offenders.Sex Abuse, 19, 195-216.

Woolfenden, S., Williams, K. J. & Peat, J. (2009). Family and parenting interventions in children and adolescents with conduct disorder and delinquency aged 10-17. Cochrane Database of Systematic Reviews, Issue 4, 1-11.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Sistema OJS 3 - Metabiblioteca |